Ativista Ela Variana quis defender o seu bom nome em conferência de imprensa

Augusto Sarmento - Segurança
Reportajen : Joana Silva
  • Share
Conferência de imprensa de Ela Variana e Sérgio Quintas na sede do MRS /Foto: Luciano Amaral

Timor Post – No dia 12 de julho, por volta das 9h, agentes da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) foram buscar a ativista Ela Variana à sua residência, em Manleu, para a levar para o Comando-Geral da PNTL. Lá, ela teve de prestar declarações sobre posts e comentários que terá feito no Facebook e que se tornaram virais. Para alguns utilizadores daquela rede social, os comentários da jovem insultavam um líder político.

Ela Variana, declarando-se cidadã timorense, declarou que não aceita o comportamento que a PNTL teve para consigo. “Eles [os agentes da polícia], na verdade, deveriam ser agentes da segurança do povo. Mas, na realidade, atualmente, asseguram os interesses das elites”.

ADVERTISEMENT
SCROLL FILA BA NOTISIA


“Os agentes da polícia foram a minha casa e não eram portadores de qualquer mandado de um juiz. Apenas levaram telemóvel para me mostrar os comentários partilhados no Facebook e disseram estar a cumprir ordens do Comando-Geral da PNTL. Outra coisa é que não houve reclamação formal de um queixoso”, detalhou Ela Variana.

A jovem lamentou ainda que alguns media não tenham publicado notícias imparciais sobre este evento, dado que aqueles apenas tinham a PNTL como fonte exclusiva do episódio da ida dos agentes a sua casa. “Assim”, lamenta Ela Variana, “contribuem também para a injustiça social em Timor-Leste. Por isso, recomendo ao Conselho de Imprensa que monitorize os órgãos de comunicação social”.

Estas reclamações foram veiculadas via conferência de imprensa que decorreu esta segunda-feira na sede do Movimento da Resistência Social (MRS), onde Ela Variana, acompanhada pelo Defensor Público Sérgio Dias Quintas, exigiu a reabilitação do seu bom nome. Ambos criticaram também a atuação dos agentes da polícia.

Sérgio Dias Quintas disse que a Defensoria Pública dá assistência jurídica a qualquer cidadão. Por isso, Ela Variana, também uma cidadã, tem “direito à honra, ao bom nome e à reputação, com base no artigo 36.º da Constituição da República Democrática de Timor-Leste”.

Em relação à atuação dos polícias, o Defensor Público considera-a inadequada: “Por isso, pedimos à instituição policial para que reconheça e declare publicamente que os seus atos foram errados. Se for possível, o Comandante-Geral deve pedir perdão à Ela para que este tipo de atuação não se repita”.

“Se, na próxima semana, a instituição policial não reagir, vamos encaminhar um processo civil ao tribunal contra o Estado para pagar de uma indemnização por danos morais”, concluiu o Defensor Público.

 2,199 total views,  3 views today

Como Você Reage?
Like
Love
Haha
Wow
Sad
Angry
You have reacted on “Ativista Ela Variana quis defender o seu bom no…” A few seconds ago
  • Share
ADVERTISEMENT
SCROLL FILA BA NOTISIA

Outras Notícias da Timorpost


Comentários :
Timorpost.com Realmente Aprecio Sua Opinião. Seja Sábio e ético ao Expressar Opiniões. Sua Opinião é de Sua Inteira Responsabilidade de Acordo Com a Lei ITE.

error: